quarta-feira, setembro 21, 2011

Sozinho...sempre e nunca!


Nunca Me Tinha Apaixonado VerdadeiramenteEscrevi até o princípio da manhã aparecer na janela. O sol a iluminar os olhos dos gatos espalhados na sala, sentados, deitados de olhos abertos. O sol a iluminar o sofá grande, o vermelho ruço debaixo de uma cobertura de pêlo dos gatos. O sol a chegar à escrivaninha e a ser dia nas folhas brancas. Escrevi duas páginas. Descrevi-lhe o rosto, os olhos, os lábios, a pele, os cabelos. Descrevi-lhe o corpo, os seios sob o vestido, o ventre sob o vestido, as pernas. Descrevi-lhe o silêncio. E, quando me parecia que as palavras eram poucas para tanta e tanta beleza, fechava os olhos e parava-me a olhá-la. Ao seu esplendor seguia-se a vontade de a descrever e, de cada vez que repetia este exercício, conseguia escrever duas palavras ou, no máximo, uma frase. Quando a manhã apareceu na janela, levantei-me e voltei para a cama. Adormeci a olhá-la. Adormeci com ela dentro de mim. 

Nunca me tinha apaixonado verdadeiramente. A partir dos dezasseis anos, conheci muitas mulheres, senti algo por todas. Quando lhes lia no rosto um olhar diferente, demorado, deixava-me impressionar e, durante algumas semanas, achava que estava apaixonado e que as amava. Mas depois, o tempo. Sempre o tempo como uma brisa. Uma aragem suave, mas definitiva, a empurrar-me os sentimentos, a deixá-los lá ao fundo e a mostrar-me na distância que eram pequenos, muito pequenos e sem valor. E sempre só a solidão. Sempre. Eu sozinho, a viver. Sozinho, a ver coisas que não iriam repetir-se; sozinho, a ver a vida gastar-se na erosão da minha memória. Sozinho, com pena de mim próprio, ridículo, mas a sofrer mesmo. Nunca me tinha apaixonado verdadeiramente. Muitas vezes disse amo-te, mas arrependi-me sempre. Arrependi-me sempre das palavras. 

José Luís Peixoto, in 'Uma Casa na Escuridão'


quarta-feira, agosto 31, 2011

Mafalda Veiga - Imortais




Por mais que a vida nos agarre assim
Nos troque planos sem sequer pedir
Sem perguntar a que é que tem direito
Sem lhe importar o que nos faz sentir
Eu sei que ainda somos imortais
Se nos olhamos tão fundo de frente
Se o meu caminho for para onde vais
A encher de luz os meus lugares ausentes
É que eu quero-te tanto
Não saberia não te ter
É que eu quero-te tanto
É sempre mais do que eu te sei dizer
Mil vezes mais do que eu te sei dizer
Por mais que a vida nos agarre assim
Nos dê em troca do que nos roubou
Às vezes fogo e mar, loucura e chão
Ás vezes só a cinza do que sobrou
Eu sei que ainda somos muito mais
Se nos olhamos tão fundo de frente
Se a minha vida for por onde vais
A encher de luz os meus lugares ausentes
É que eu quero-te tanto
Não saberia não te ter
É que eu quero-te tanto
É sempre mais do que eu sei te dizer
Mil vezes mais do que eu te sei dizer

 Mafalda Veiga


terça-feira, agosto 09, 2011

QUERO QUE OS DIREITOS HUMANOS SE PRONUNCIEM !!!

Londres: Pessoas forcadas a tirar a roupa na rua (COM VIDEO)







Um grupo de "jovens" espancam um miúdo, partindo-lhe os dentes, enquanto ele está meio inconsciente, ainda o ajudam a levantar-se e roubam-lhe tudo o que tem consigo. O miúdo fica sozinho sem dignidade e a escorrer em sangue... se isto não é um caso de direitos humanos o que está a acontecer em Londres, e que todos os dias acontecem num bairro perto de si, o que é então??? Revoltante e desumano!!!

domingo, agosto 07, 2011

A REVOLUÇÃO FEMININA



Se uma imagem vale mais que mil palavras, então muitas imagens valem mais de um milhão de palavras...Vejam!!! 

- Arrepiante;
- Apaixonante;
- Profundo;
Heróico;
- Cativante;
- tanta coisa que nem consigo transmitir em adjectivos...

Agradeço do fundo do coração, ao autor do video, o momento que me proporcionou, foi único ! 
Obrigada M.N.!

segunda-feira, julho 18, 2011

O PNR ESTÁ CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DOS CTT




Acção de rua contra a privatização dos CTT e encerramento de Estações de Correios

Queremos os nossos correiosO PNR opõe-se às privatizações que afectem os sectores vitais para a soberania e economia nacionais e que, como tal, não são susceptíveis de passar das mãos do estado para as do capital apátrida e usurário. Tais sectores vitais, como energias, transportes e comunicações, são também eles, vitais para a coesão nacional e para o serviço às populações, pelo que, não podem ser alienados dos interesses nacionais e, dessa forma, da tutela do Estado.
Os CTT fazem parte do conjunto de empresas públicas a privatizar pelo Governo, em obediência e sintonia com as directivas da Troika, inscrevendo-se esta medida num vasto rol de atentados contra a nossa soberania.
Na quarta-feira, 20 de Julho, às 17.30 horas, faremos acção de protesto na Praça dos Restauradores, em Lisboa, contra a privatização dos CTT e em apoio ao trabalho nacional.







Cito: "Nesta 4ª feira estaremos na rua em protesto contra a privatização dos CTT.
E no Domingo haverá jantar-convívio de comemoração da Batalha de Ourique.
E em Agosto, estaremos nas duas entradas da Ponte Salazar... bem, o melhor é acompanharem a Agenda no Portal do PNR :) "

(José Pinto-Coelho)





2011
26 | Nov
“1as Jornadas de (in)formação para militantes” – Oeiras
22-23 | Out
“Estados Gerais do PNR” – Alcobaça
24 | Set
Encontro Nacionalista – Leiria
17 | Set
Conselho Nacional Extraordinário
4 | Set
6 | Ago
45 Anos da Ponte Salazar – Protesto contra as Portagens em Agosto
24 | Jul
3º Encontro Nacional de Responsáveis de Núcleos – Lisboa
2o | Jul

sábado, julho 16, 2011

Acção de campanha do PNR em Tavira

Foram distribuídos pelas caixas de correio,  perto de 300 panfletos em Tavira (Algarve)










Cito:




 "Militantes de Loures reúnem equipa de simpatizantes de Tavira para uma acção local de colocação de panfletos em caixas de correio. Para muitos Tavirenses, será este talvez o primeiro contacto que têm com o Partido. Claro que tudo isto será acompanhado do indispensável "passa-a-palavra" e de algumas abordagens a algumas pessoas. Agora e sempre..." (Rui Amiguinho)




"Foram distribuídos perto de 300 panfletos. Conseguimos cobrir 1/3 de Tavira. As duas pessoas que estiveram comigo estão motivadas para continuar e até para falarem directamente com a população. Com pouco fazemos muito :)." ( Ricardo Henriques)


 "Assim se combate a inercia de alguns que se dizem muitos e que muito fazem... Aqui teem a prova de que para alguns militantes a luta por um ideal não acaba com a campanha para as eleições... Antes pelo contrário!..." (João Patrocínio)



sexta-feira, julho 01, 2011

ÉTICA REVOLUCIONÁRIA - PEDRO VARELA







Davi DeLarge ) 

Este é um resumo da obra “Ética Revolucionária” de Pedro Varela. Selecionei somente o que acho aproveitável, já que alguns itens são totalmente conformistas. 

I - “Guarde seu espírito fora das correntes de moda e sobre as críticas dos ignorantes da vez. Apenas assim poderá conservar seu juízo claro para a luta”.

A moda sempre foi um grande problema ético. Não é possível viver segundo ela, que depende das campanhas de propaganda do Sistema. É evidente que não se pode atuar ou viver como se estivéssemos no século XII, mas nem por isso se pode trocar a forma de ser por mera moda ou pelo que as pessoas fazem, e sim aceitar um modo de vida ético. Assim, pois, é possível não permanecer como que distante da realidade, mas sem servir ao Sistema. Existem muitas formas de atuação ética e o tempo faz com que certos costumes variem, mas a ética, por fim, nunca deve ser perdida. É uma norma básica.

II - “Mantenha sempre seu cérebro ativo. Não esteja ocioso. Ajude a saúde de seu corpo mantendo uma mente clara. Escolha bem suas leituras ou peça conselho a pessoas de sua confiança. Escreva, medite, estude”.

Este ponto é tão fundamental que somente ele, tendo sido bem aplicado, poderia ter eliminado o nefasto processo de skinheads inclinados para a brutalidade, que mancharam o Nacional Socialismo com uma imagem de ganguistas interessados em brigas e em futebol. A idéia do “nazi” colegial é somente aceitável se também o espírito o é. A formação, a leitura dos clássicos, a música, entre outros, formam a verdadeira base de todo nacional-socialista.

III - “Tenha fé. A fé é um patrimônio que não podem lhe roubar. É sua única arma invencível. Frente ao poder do dinheiro, e a depravação materialista, levante a tocha de sua fé na vitória final”.

Se você coloca em discussão a necessidade de lutar, você deixará de fazê-lo. Há mil “razões” para deixar de lado os sacrifícios. É demasiado fácil criar justificativas para abandonar o compromisso. A fé na luta, a clara idéia de se manter em combate constante, não somente até os 35 anos de idade, mas de não deixá-la jamais, é o que de fato deveria definir a militância nacional-socialista. Particularmente, vi muitos camaradas que eram magníficos nacional-socialistas aos 25 anos, mas que dez anos depois procuravam desculpas para justificar o fato de se viver tranqüilos em casa. Podem-se mudar as táticas ou grupos, mas nada justifica o abandono da fé na luta.

IV - “Mantenha-se à margem da propaganda burguesa e democrática. Os jornais, as revistas, o cinema, a televisão, estão impregnados de ceticismo, materialismo e numerosos valores negativos. Leia e propague a imprensa nacional revolucionária, que denuncia a hipocrisia do Sistema”.

VI - “Despreze o traidor. O traidor carece de honra e por isto é indigno de ser tratado como pessoa. Seja valente. Um caráter débil é facilmente vulnerável. Não confunda valentia com inconsciência ou temeridade. Aquela é fruto do amadurecimento como homem. Estas, são reflexos de uma mente infantil. Despreze o covarde. A covardia é uma fraqueza. Também o valente tem medo, mas possui a força espiritual necessária para vencê-lo. O covarde é egoísta, pois assegura sua própria integridade a custo dos demais”.

IX - “Não confunda o amor com mera atração física. O prazer físico é efêmero e se busca como único fim, degradante. O amor é altruísmo, a negação de o próprio ser para formar outro em que se fundem os espíritos dos amantes. Somente assim o amor é eterno. Entregue-se de todo coração à pessoa amada”.

A imprensa, o cinema e a televisão nos apresentam o sexo como um elemento separado do amor e a este como mera relação temporal amistosa e sexual. E os reacionários, por sua vez, apresentam-no como algo maligno e pecaminoso. Bem na verdade, o sexo é maravilho se está dentro do amor. E o amor é sublime, pois vence o egoísmo individualista. Se o amor somente serve para justificar o sexo e se este somente busca o prazer, o homem se converte em um animal. Se uma pessoa gosta de você, sexualmente falando, mas não a ama, você deve respeitá-la e exigir respeito, pois, do contrário, fazer o sexo apenas por prazer, sem maior transcendência, é algo que degrada sua qualidade como pessoa. Na vida, você não deve buscar o prazer. Deve, sim, buscar a dignidade, o dever cumprido, a obra feita, a elevação como pessoa. Se o prazer comanda seus objetivos, automaticamente você é parte do Sistema. Mas se você os ama, negar o papel do sexo é uma atitude reacionária e frustrante por si só, que castra as possibilidades humanas. Não seja casto pelo fato de outrora ter sido infame. No Nacional Socialismo, tanto a mulher quanto o homem têm papéis distintos, mas com um papel igual com relação à dignidade e o amor. O machismo e o feminismo são duas aberrações do mundo liberal.

X - “Mantenha-se sempre preparado para a luta. Lembre que esta se apresenta em cada instante e de muitas formas. A luta física, uma guerra, é a mais fácil; sabe onde está o inimigo e os objetivos são claros. Mas as modas, as correntes ideológicas de origem obscura, as atividades degradantes, a vida fácil... São inimigos que vão socavando seu espírito. A vida é uma luta constante”.

XI - “Respeite seu corpo. Tenha em conta que um modo de vida decadente é um triunfo do inimigo. Uma imagem forte é importante, mas não é garantia suficiente, pois pode esconder fraquezas interiores nefastas. Cuide de seu corpo e de seu espírito. O vício degenera o corpo e o espírito. Não deixe que nenhum vício o domine. Pense que quanto mais preso se encontre, mais difícil será para livrar-se dele. O vício rebaixa a condição humana e este a afasta do arquétipo ideal que devemos inclinar, ainda que sem atingi-lo totalmente”.

Há camaradas que abominam o uso das drogas, ao mesmo tempo em que fumam e bebem sem controle. Possuem músculos e, no entanto, não saber se conter diante dos próprios vícios. E existem aqueles que não são capazes de subir uma montanha ou nem agüentam cinco minutos de marcha atlética. A gordura e a debilidade é uma falta de estilo tão grave quanto a brutalidade e a barbárie. Não é preciso ser um ginasta nem ser abstêmio, Não se exige ser um intelectual nem saber usar os punhos. Mas é preciso estar em forma de corpo e intelecto. É sempre recomendável não fumar. Beber com moderação. E entre os esportes, nada melhor que as montanhas e o contato com a natureza. É melhor caminhar que fazer artes marciais. Melhor contemplar os cumes, depois de uma boa marcha, que golpear ou brigar.

XIX - “Pratique esportes. Não tema o esforço físico. Ele o levará a conseguir um corpo sadio e um espírito duro, a ver a vida com otimismo e confiança em si mesmo e a educar sua vontade. Tenha em conta que ele é o escudo do seu espírito. Um escudo fraco poderá se quebrar no meio de um combate e o deixará sem proteção. Um escudo forte pode ser sua melhor arma em momentos difíceis”.

XXIV - “Respeite a família, pois é a ela que deve sua existência e dentro dela é onde aprendeu suas primeiras lições como homem. Respeite também a autoridade de seus pais. Escute seus conselhos, mantendo ao mesmo tempo suas convicções. Eduque seu espírito no altruísmo, preparando-se para o dia em que formar sua própria família”.

XXVII - “Ame a tradição. Ela é a expressão do sentimento do povo, o patrimônio espiritual de sua raça. Aprenda a discernir o que é verdadeira tradição dos hábitos adquiridos em determinadas épocas e circunstâncias, impostas por outros povos alheios à sua cultura, por ideologias nocivas ou fruto de momentos de decadência. Não confunda tradição com costume”.

XXX - “Aprenda a apreciar o belo. A contemplação da Natureza o ajudará nisso. Somente quando nos mais insignificantes detalhes da Natureza encontrar beleza, somente quando compreender a infinita perfeição do menor ser vivo, você poderá ser capaz de guiar seus gostos por si mesmo. Forme-se no natural. Siga os ensinamentos que a Natureza dita e aplique-lhes a sua condição de Homem. Não se deixe influenciar pelas correntes que se opõem a essas idéias, por mais fortes que elas sejam”.

XXXII - “Não existem trabalhos dignos e indignos, mas trabalhadores bons e maus. As classes baseadas no rendimento econômico dos empregos são artifícios políticos, injustas e contrárias à natureza humana. As únicas classes que podem existir são as dos que trabalham e as dos que não trabalham, com as mãos ou o intelecto”.

XXXIV - “Cuide de seu espírito, precisamente porque todo seu ser deve formar uma harmonia. Pense que somente ele é imortal e eterno. A verdadeira arte é um meio ideal para ele. Conheça a expressão artística de sua cultura. Aprenda a sentir sua arte. As obras de arte são a sublimação do espírito de uma civilização, através dos seus gênios. Nunca esqueça a diferença que existe entre o verdadeiramente artístico e o meramente estético. A arte inunda o espírito, penetra até o mais profundo de nosso ser. O meramente estético fica nos sentidos, agradando a estes, mas sem contribuir o desenvolvimento de seu espírito”.

quinta-feira, junho 30, 2011

PENSAMENTO ÉPICO!

LENDA DA BATALHA DE LENA, NA SUÉCIA 

Odin com a Sua lança Gungnir e acompanhado dos seus dois corvos, Hugin (Pensamento) e Munin (Memória), pairando por sobre a batalha


31 de Janeiro de 1208 fica para a História como o dia da Batalha de Lena, travada em Kungslena, área de Västergötland, Suécia.
Frente a frente estavam o rei Sverker e o príncipe Eric, ambos suecos.
Sverker, amigo da Igreja, trazia consigo um imenso exército dinamarquês (fornecido pelo rei dinamarquês Valdemar o Vitorioso), composto de entre doze e dezoito mil homens.
Eric, por seu turno, liderava uma força militar, que, mesmo incluindo uns quantos auxiliares noruegueses, ficava-se numericamente entre os sete e os dez mil efectivos.

Foi então que, segundo conta a lenda, os Suecos viram subitamente Odin cavalgando o Seu cavalo de oito patas, Sleipnir. Há várias versões sobre o modo como o Deus ofereceu a vitória aos Suecos; numa delas, Odin cavalgou diante da formação de batalha sueca.

Mais diz a lenda que, nas proximidades do local em que se deu a refrega, avistou-Se um cavaleiro dum só olho com um chapéu de abas largas e um manto azul que pediu a um ferreiro que pusesse ferraduras nos cascos do Seu cavalo. O desconfiado ferreiro perguntou onde é que o estranho tinha passado a noite anterior - em resposta, o estranho referiu sítios tão distantes dali que o ferreiro não acreditou no que ouvia. O enigmático cavaleiro disse que tinha estado durante muito tempo no norte e tomado parte em muitas batalhas, mas que agora ia para a Suécia. Quando o Seu cavalo foi devidamente munido com as ferraduras, o estranho declarou «Sou Odin» e partiu. No dia seguinte, travou-se a batalha de Lena.






Fonte





domingo, junho 26, 2011

ethno - Rádio Identitária


Rádio do Folclore Português




A Rádio do Folclore Português, surgiu em 1de Abril de 2005, com o objectivo de colmatar uma lacuna na divulgação e difusão do Folclore Português, inicialmente com o nome de Rádio Lauribano, hoje Rádio do Folclore Português a transmitir via internet do Centro de Portugal, Lorvão, Coimbra.
A RFP, é de e para todos os que amam o Folclore Português.
Sendo uma Web Rádio, transmite 24 horas por dia para todo o mundo cibernauta.
Estamos ao dispor de todos os folcloristas, grupos de folclore e todos os outros que não integrando qualquer tipo de grupo gostam de folclore.
A RFP, promove, divulga e difunde toda a musica folclórica e de raíz tradicional de Portugal.


Obrigado
A RFP





Ouçam!
Site

sexta-feira, junho 24, 2011

Encontros e Festivais de Folclore - Junho e Julho 2011


XXVII Festival de Folclore
25 de Junho de 2011 - 22H00
Fontaínhas - Santarém
Grupos participantes: Rancho Folclórico "Flores de Verde Pinho" – Coimbrão (Leiria) | Rancho Folclórico Santa Eufémia de Pé de Moura – Lomba (Gondomar) | Rancho Folclórico "As Cerejeiras de Fetais" – Fetais (Sobral de Monte Agraço) | Rancho Folclórico "Os Fazendeiros de Montemor-o-Novo" - (Montemor o Novo) Grupo Folclórico do Centro Social de Vila Nova de Sande – Vila Nova de Sande (Guimarães) | Rancho Folclórico do Bairro de Santarém, Graínho e Fontaínhas (Zona do Bairro - Ribatejo)










XIX Festival Nacional de Folclore
16 de Julho - 21h00
Lugar da Igreja - Ribeira de Fráguas
Albergaria-a-Velha

Em simultâneo estará patente uma exposição subordinada ao tema: "19 anos não são nada", uma viagem pelos 19 cartazes publicitários dos festivais
  




Festival de Folclore
16 de Julho - 21h30
Vale das Mós
Abrantes (Região Etnográfica dos Templários)

Grupos participantes: Grupo Folclórico e Etnográfico “ Os Camponeses “ de Vale das Mós – Templários | Ranho Regional Recordar é Viver de Paramos - Espinhoa ! Rancho Regional e Folclórico de Candosa - Tábua - Rancho Folclórico “Os Hortelões”da Ervideira - Mafra | Asociacion Folclórico Cultural e Xuvenil Meiramar - Axouxeres (Galiza)

XXV Festival de Folclore
23 de Julho - 21h00m
Junto à Igreja Paroquial de Sequeira
Braga

Grupos participantes: Rancho Folclórico Típico de Santa Maria de Sequeira, Braga | Rancho Folclórico e Etnográfico Casal Sentista, Torres Novas | Grupo Folclórico S. Tiago de Custóias, Matosinhos | Grupo Folclórico de Danças e Cantares de Joane, V. N. Famalicão | Rancho Folclórico e Etnográfico Casa do Povo de Poiares, Ponte de Lima

Festival Nacional de Folclore
2 de Julho - 22h00
Praça do Município
Santo Tirso
Grupos participantes: Grupo Folclórico da Casa do Povo de Cacia | Ronda Típica da Meadela | Rancho Folclórico Ceifeiras e Campinos de Azambuja | Rancho Folclórico de Barcelinos |Rancho Regional de Argoncilhe | Rancho Folclórico de Santa Maria da Reguenga
Ver Cartaz >>>

XXVIII Festiva Internacional de Folclore
16 de Julho de 2011 - 21h00
Serzedelo - Guimarães

Grupos Participantes:- Rancho Folclórico Ceifeiras e Campinos de Azambuja - Ribatejo | Rancho Folclórico e Etnográfico de Cova do Ouro e Serra da Rocha – Coimbra – Beira Litoral | Grupo Folclórico da Casa do Povo de Serzedelo – Guimarães – Baixo-Minho | Rancho Regional de Fânzeres – Gondomar – Douro Litoral | Grupo de Baile da Asociacion Cultural Malveiras – Pontevedra - Espanha | Rusga Típica da Correlhã - Associação Cultural e Recreativa Corneliana – Ponte de Lima – Alto Minho

XXVII Festival de Folclore
3 de Julho de 2011 - 17h00
Paço dos Negros - Almeirim

Grupo participantes: Rancho Folclórico de Paço dos Negros - Ribatejo | Rancho Folclórico D. Nuno Álvares Pereira - Matosinhos | Rancho Folclórico da Santa Casa da Misericórdia de Soure - Coimbra - Beira Litoral | Rancho Folclórico da Conceição de Faro - Algarve | Rancho Folclórico Nossa Senhora da Alegria - Castelo de Vide - Alto Alentejo

Festival de FolcloreIntegrado no Aniversário da ADCR Touguinha - Vila do Conde
30 de Julho de 2011 - 21h30
Touguinha - Vila do Conde

Grupos participantes: Rancho Etnográfico Santa Maria de Touguinha | Rancho Folclórico do Pinhão - Alijó | Grupo Danças e Cantares de Soutelo - Rio Tinto - Gondomar | Rancho Folclórico S.Paio - Arcos de Valdevez

V Festival de Folclore
2 de Julho - 21h00
Sto. Estêvão das Galés
Mafra

II Festival de Folclore Infantil
3 de Julho - 15h30
Sto. Estêvão das Galés
Mafra

XXXI Festival Nacional de Folclore
30 de Julho de 2011
Zebreiros
Gondomar

Grupos participantes: Associação Etnográfica Os Serranos | Rancho Folclórico de Tendais - Cinfães | Rancho Folclórico da Chamusca | Rancho da Ponta de Sol - Madeira | Rancho Folclórico de Zebreiros

Festival de FolcloreIntegrado Festas em Honra de Nossa Senhora do Carmo
17 de Julho de 2011
Cidacos - Oliveira de Azeméis

Grupos participantes: Grupo Folclórico de Cidacos e Rancho Folclórico "A Primavera" de Vilas Cova de Perrinho - Vale de Cambra

XXI Festival Nacional de Folclore
9 de Julho - 21h00
Pinho
São Pedro do Sul

XXI Festival Nacional de Folclore
09 de Julho às 21 horas
Pinho - São Pedro do Sul
Organização: Rancho Folclórico de Pinho
Participam Grupos da Beira Alta, Douro e Minho

XII Festival Nacional de Folclore 
16 de Julho de 2011
Jardim Municipal
Sour
e
Participação de Grupos  de Folclore do Minho, Beiras, Ribatejo e Algarve
Ver Cartaz e Grupos Participantes>>>

Noite de Folclore Luso-Galaico - Correlhã 2011
23 de Julho de 2011
Parque da Boa Morte
Correlhã - Ponte de Lima

Participam 6 Grupos de Folclore/Ranchos Folclóricos

XVII Festival Internacional de Folclore de Sul
17 Julho - 15h00
Sul - S.Pedro do Sul

Grupos participantes: Rancho Folclórico da Freguesia de Sul

8º Festival de Folclore da ADC de Constantim
30 de Julho - 21h00
Largo da Cortinha - Constantim - Vila Real
Grupos participantes: Grupo de Danças e Cantares de Constantim - Vila Real e mais três Grupos.



Fonte

Solstício de Verão

Stonehenge - Summer Solstice 2011








Iceland

Summer Solstice and Midnight Sunset 2011 Reykjavik 






TRIBUTO A ODIN, Deus dos Deuses...






 Poemas Vikings


O Aett de FreyrFehu (Fé) - o Gado"A riqueza é consolo para todos,
mas há de partilha-la aquele que espera lançar
sua sorte para julgamento perante os deuses."
Palavras chaves: dinheiro, sucesso, riqueza, fartura, fertilidade, prosperidade, abundância.
Galdr de Fehu:



"Fonte de fartura, feno e ferro fortes, santificados sejam os feitos da fé. Que floresça as favas da felicidade e fartura! Força de Frey e Freyja, flagelo aos flocos do frio frígido! Fervendo fórmulas, forjando efeitos, flertando fervor, fluindo com o fogo fátuo que fecunda as florestas formosas! Fênix fiandeira das feitiçarias, fruto fecundo, fita-me! Filho da flama feroz, forneça força e fertilidade! Falcão das fábulas, fênix feroz, efígie de fogo, forja-me felicidade e fartura! Fehu, Fehu, Fehu!"
Está associada ao deus nórdico Freyr, e relativamente à Freyja por conseqüência. Frey é o deus fálico da paz e da abundância, bem como aquele que proporciona a fertilidade.
A mensagem atrás da estrofe do poema está envolta da prosperidade e posse material, mas sem que a riqueza se torne um fardo. Combinada com outras runas, toda esta riqueza pode tomar outros significados, como riqueza espiritual, por exemplo. Ela fala de uma busca cuja jornada promete um tesouro. Todo esforço deverá ser bem recompensado.
A runa libera a mente para trabalhos psíquicos, e pode servir como um canal para a transmutação de poderes e energias, ou ainda para atrair a fortuna.

Uruz (Úr) - O Touro
"O boi selvagem é destemido e de altos chifres,
um feroz lutador que palmeia as charnecas."

Palavras chaves: força, virilidade, mudança, rompimento, destemor, saúde, progresso, boa sorte.
Galdr de Uruz:"Touro e urso, muro duro, urna de luz, expurgo de urzes do triunfo. Útero sufocante, sustenta a cura em meu mundo. Cultivas rudez ao vulcão, suntuosidade ao tufão, triunfo à subversão, fecunda as trufas da Última Thule. Fúria rubra que muda o urlog suplicante. Perfurador da cruz, suástica urticante. Alü, sumo dourado, suor asatru vanatru. Música que cura e muda. Surto que cura e muda. Touro furioso, subverta o mundo ao meu triunfo. Urur, Urur, Urur!"
A mensagem subliminar desta estrofe fala da força bruta e selvagem que traz a virilidade do indivíduo. Esta virilidade dobra a vontade alheia, força acontecimentos e cura. Ela também significa engrandecimento espiritual e uma força que inspira e impulsiona o ser em sua jornada, e, portanto, simboliza a busca da iluminação pessoal com plenitude.
O Chifre, na Velha Religião nórdica, simbolizava a energia vital, a sexualidade (cada extremidade trazia um sexo) e a força. Portanto, chifres são símbolos de regeneração e crescimento, física e espiritualmente. Em uma ponta o chifre é o útero e na outra é o pênis. Por fora, o chifre é o falo que está pronto para lançar o sêmen da vida que fertiliza a terra. Por dentro, é oco como a vagina que é o receptáculo da vida, cujo túnel vai até as entranhas do divino feminino.
A runa fala também de mudanças forçadas, que exigem preparo para encarar a situação. Trata da manutenção da saúde física e mental.

Thurisaz (Thurs) - O Espinho"Os espinhos são muito aguçados e podem ferir se
agarrados por alguém que veio descansar no meio deles."

Palavras chaves: proteção, boas novas, aviso, ferimento, resistência, contemplação, observação.
Galdr de Thurisaz:"Trovão que atravessa o céu em direção à terra, proteja-nos e trabalhe em nossos intentos. Tranque os Thurses longes em tuas tempestades terríveis. Dilúvio que draga com tormenta. Tacape, martelo, tenaz e tocha, trabalhem em tempo por nossos tributos! Delega-me discernimento e temperança. Traga o talismã contra as trapaças dos Jöttun! Thurisar, Thurisar, Thurisar!"
A estrofe fala das pequenas provações da vida, que precisam ser superadas pelo guerreiro. A picada de um espinho pode não se grava, mas quem cai num espinheiro pode ficar seriamente ferido. E, se não formos capazes de controlar as pequenas adversidades não conseguiremos o autoconhecimento e progresso.
A runa está associada a Thor, deus do trovão. Ele é o inimigo dos gigantes. Traz proteção contra os inimigos. Aviso contra os maus presságios. Fornece a força para resistir contra as provações que chegam.
Ela fala também de um momento de contemplação, de observação, pedindo paciência para agir, adiando planos.O espinho que fere o inimigo, e incomoda a nossa jornada, também é o mesmo que protege a planta contra o predador.

Ansuz (Áss) - A Palavra
"A boca é a origem de todo discurso,
Contém sabedoria, traz conforto
Ao saio e abençoa a todos."

Palavras chaves: sabedoria, eloquência, oratória, inteligência, inspiração, conselho, herança, comunicação, revelação.
Galdr de Ansuz:
"Auspícios e sabedoria traga-me. Mãe da inspiração e da inteligência. Que assim a visão venha a mim! Clara e alva como a água divina, fugaz como o ar! Habilidosa como a espada que dança! Palavra que força a vontade! Algoz altíssimo, cuja boca é desperta, traga eloqüência e prazer! Que a palavra seja a vida e a fúria, que a inteligência fale por nossas almas! Comunicação com Aesgard e com toda Yggdrasil, seja feita! Assim, seja! Ansur, Ansur, Ansur!"
A runa está associada com Odin, como o mestre do conhecimento. Ela fala sobre os poderes da comunicação e da palavra, de como falar suavemente. Associa-se às canções sagradas, à poesia, ao Galdr, aos encantamentos mágicos, à clarividência, inspiração divina, êxtase. Em magia ela é o poder de sugestão através do verbo, e a facilitadora da inspiração mágica.
Raido (Reid) - O Carro
"Montar um cavalo, para um herói,
Na sala é fácil.
Mais difícil é montar um
Grande cavalo percorrendo as milhas dos caminhos."

Palavras Chaves: viagem, visita, notícias, segurança nas jornadas, sucesso em empreitadas, vitória em trajetos.
Galdr de Raido:"Rota furtiva, carro da vitória. Razão do despertar. Triunfo dos Aesir, carro dos Vanir. As rodas vorazes percorrem a terra e o mar, cortam o ar em direcção ao interior do universo. Corre ao equilíbrio do ser, rasgando a relva das florestas alegres. O luar brilha sobre as rodas das carruagens daqueles seres que estão a viajar e reinam sobre as rotas. Nas terras da alegria e da fartura sou esperado com cerveja e carne. No lar de meus ancestrais já mortos eu retornarei como herói e assim me reúno como herdeiro das ricas tradições do norte! Carro solar proveja triunfo e harmonia nas estradas da terra! Raidu, Raidu, Raidu!"
A estrofe fala de como ficar parado no lar falando da vida é infrutífero e que na realidade os valores são provados no mundo exterior, na ação. Uma jornada, uma viagem traz experiência, exige preparo e pode se concluir em recompensa.
A runa fala da distância, de uma viagem, de uma jornada. Ela é uma runa positiva que desejará acima de tudo uma boa conclusão para qualquer trajeto, seja do indivíduo, seja do visitante, seja de uma mensagem.
A runa também fala do equilíbrio de todas as coisas, e da necessidade de isto acontecer. Os excessos serão cortados, e as necessidades supridas.